Se amar é doer

Quando eu tinha quatro anos eu acertei a testa na quina de uma porta, e essa é a lembrança mais antiga que eu tenho de me machucar. Até hoje eu tenho a cicatriz, que eu sempre achei legal, mesmo antes da era Harry Potter.

Continuar lendo Se amar é doer

Casamento é legal, o problema é o fã clube

O dia em que eu me casei passou longe de ser o mais feliz da minha vida. Acho que não entra nem nos Top 20. Mas se o critério for tensão e desespero, ele chega perto de ser medalhista olímpico. Não tinha muito como ser diferente, considerando o estado em que eu me encontrava naquela época. Era expectativa demais pra algumas poucas horas.

Continuar lendo Casamento é legal, o problema é o fã clube

Sim, eu me lembro

Foto por Pixabay em Pexels.com

Você morreu há 25 anos, eu me lembro. Eu me lembro de quando a sua mãe te levava lá pra casa, nas férias, pra que ela pudesse trabalhar e ficar com você ao mesmo tempo. Você tinha um ano a menos que eu, mas a gente se dava bem.

Continuar lendo Sim, eu me lembro

Uma animadora história de depressão

Image for post
Nick Seluk, The awkward yeti

Eu tive depressão pela primeira vez aos 18 anos. Foi uma época muito confusa da minha então curta existência, e eu deixei alguns registros.

Faz poucos meses que eu saí de uma outra crise depressiva, a quarta delas. Na verdade eu nem sei se vale como uma crise separada, ou se é uma recaída da crise do ano passado, mas enfim, os neurônios são meus, eu conto do jeito que eu quiser.

Continuar lendo Uma animadora história de depressão

Lar, onde meu pai está

Eu li O Estrangeiro pela primeira vez aos 18 anos. Minha mãe não tinha morrido ainda, meu pai ainda não tinha Alzheimer, e eu não tinha experiência de vida pra apreciar uma obra daquelas.

Pra ser sincera eu continuo não gostando muito, mas foi marcante ter relido esse livro ano passado. E não só porque foi o primeiro livro de gente grande que eu li em francês.

Continuar lendo Lar, onde meu pai está

As histórias que herdamos

Foram muitos os fins de semana que passei na casa da minha avó materna, Safira. Em um deles estávamos as duas brincando no quintal, ou no terreno ao lado da casa, não lembro direito, e eu mostrei a ela uma borboleta que eu havia acabado de matar.

Continuar lendo As histórias que herdamos

Quando ajudar dói sim

Image for post
Cena do filme Heathers

Aconteceu quando eu estava na segunda ou terceira série do ensino fundamental, não me lembro direito. Eu estudava num colégio chamado Jardim Chapeuzinho Vermelho, e que era muito católico, apesar do nome infantil genérico. Todos os dias fazíamos fila pra rezar e cantar a música de boas vindas da escola, cada turma na sua própria fila.

Continuar lendo Quando ajudar dói sim

Sobre a minha mãe, que morreu há 10 anos

Minha mãe morreu há exatos dez anos, num dia como esse, em que as pessoas estão ocupadas demais com as próprias esperanças e soltam fogos na TV. Você pode me dizer que o timing da publicação desse texto é péssimo, e é mesmo, mas eu quis reproduzir a sensação daquele 31 de dezembro de 2006. Mesmo que ninguém leia isso hoje.

Continuar lendo Sobre a minha mãe, que morreu há 10 anos

Como fazer amigos depois dos 30? (Sério, eu não sei)

Foto por Dennis Magati em Pexels.com

Eu tenho problemas de família reduzida. Todos os meus avós já morreram, assim como a minha mãe e parte dos meus tios. E agora que meu pai tem Alzheimer, e só pode contar comigo sem que eu possa contar com ele, a coisa ficou pior ainda.

Continuar lendo Como fazer amigos depois dos 30? (Sério, eu não sei)

Conheça Solange

Já faz algum tempo que eu e o meu marido recebemos aqui em casa uma visitante. Eu a chamo de Solange, mas desconfio que esse não seja o verdadeiro nome dela. Nosso apartamento é pequeno, realmente é difícil encaixar mais alguém aqui, mas Solange não ocupa um espaço físico, então, não é esse realmente o problema.

Continuar lendo Conheça Solange